Sociedade Norte-americana de Menopausa (NAMS) | 27 SEP 21

Ondas de calor na menopausa

Efeitos do estilo de vida sedentário, enxaqueca e novas alternativas terapêuticas que incluem cannabis

A reunião desse ano com o tema: O Estado da Saúdde da Mulher de Meia-idade forneceu atualizações abrangentes sobre as questões mais relevantes à menopausa e à saúde da mulher na meia-idade. A IntraMed Brasil trouxe alguns tópicos abordados na reunião.

Sedentarismo e ondas de calor na menopausa

As ondas de calor, um dos sintomas mais comuns da transição da menopausa, não apenas interferem na qualidade de vida da mulher, mas também estão associadas a uma variedade de problemas de saúde.

Um novo estudo sugeriu que o comportamento sedentário pode aumentar a probabilidade de sofrer ondas de calor noturnas. Os resultados do estudo foram apresentados na reunião anual da Sociedade Norte-Americana de Menopausa (NAMS) em Washington, DC, de 22 a 25 de setembro de 2021.

Cerca de 80% das mulheres relatam sentir ondas de calor. Alguns dados sugerem que um maior número e gravidade das ondas de calor estão relacionados a um maior risco de doenças cardiovasculares.

O comportamento sedentário, que geralmente é mais prevalente com a idade das mulheres, também está relacionado a um risco aumentado de doenças cardíacas. No entanto, poucos estudos avaliaram o efeito do comportamento sedentário na experiência de ondas de calor. Os estudos realizados baseiam-se fortemente em relatos pessoais e não consideram medidas objetivas de ondas de calor ou comportamento sedentário.

Este novo estudo, que incluiu mulheres na pré, peri e pós-menopausa, teve como objetivo determinar se o comportamento sedentário medido objetivamente é um preditor da experiência objetiva e subjetiva das ondas de calor.

Os resultados do estudo preliminar indicam que o comportamento sedentário, de fato, prediz ondas de calor noturnas objetivas, independentemente do tempo gasto participando de atividades moderadas a vigorosas.

"À medida que as mulheres que se aproximam da transição da menopausa dedicam grande parte de suas atividades diárias a comportamentos sedentários, é importante entender como esse comportamento influencia as ondas de calor da menopausa", disse a Dra. Sarah Witkowski, fisiologista da Smith College e coautora do estudo. "O conhecimento sobre a influência do comportamento sedentário nas ondas de calor pode melhorar as recomendações de estilo de vida baseadas em evidências para mulheres que têm ondas de calor."

"Com uma proporção tão grande de mulheres afetadas por ondas de calor, a pesquisa para ajudar a identificar os gatilhos ou fatores de risco é sempre valiosa", disse a Dra. Stephanie Faubion, Diretora Médica da NAMS. “Os profissionais de saúde devem revisar as atividades físicas e as rotinas do paciente ao considerar as opções de tratamento”.

Novas terapias oferecem esperança para o tratamento de ondas de calor na menopausa

A apresentação discutiu tratamentos para sintomas vasomotores não hormonais no horizonte.

As ondas de calor são um dos sintomas mais comuns da menopausa, afetando aproximadamente 75% a 80% das mulheres. Eles podem afetar negativamente a qualidade de vida de uma mulher, alterando o sono e o humor, e podem ter consequências mais graves para a saúde.

Uma apresentação na Reunião Anual da Sociedade Norte-Americana de Menopausa (NAMS) em Washington, DC, de 22 a 25 de setembro de 2021, revisou várias terapias não hormonais atualmente sob investigação para o tratamento de ondas de calor.

Estudos recentes mostraram que os sintomas vasomotores (afrontamentos) podem durar, em média, 7 a 10 anos e, às vezes, podem durar ainda mais em mulheres cujos sintomas começaram na perimenopausa. Embora algumas mulheres tenham apenas ondas de calor moderadas, outras podem ter sintomas mais incômodos que podem levar a problemas com densidade óssea mais baixa e doenças cardiovasculares subclínicas.

A boa notícia é que várias terapias estão sendo investigadas para o tratamento dos sintomas vasomotores. A Dra. Stephanie Faubion, Diretora Médica do NAMS, destacou algumas das terapias mais promissoras que já foram aprovadas para outras indicações e outras que representam novos compostos que ainda não foram aprovados pelo governo.

As opções mais recentes incluíram:

  • A oxibutinina, um agente anticolinérgico antimuscarínico usado para tratar os sintomas de bexiga hiperativa e hiperidrose, reduz a frequência e a gravidade dos sintomas vasomotores. Embora existam preocupações sobre o risco de demência com o uso de longo prazo, o uso de curto prazo pode fornecer alívio dos sintomas para mulheres com sintomas vasomotores significativos ou incômodos.
  • Os antagonistas do receptor da neurocinina 3 em ensaios clínicos de fase 3 para o tratamento de sintomas vasomotores representam uma terapia não hormonal promissora. Eles parecem reduzir rapidamente a frequência e a gravidade das ondas de calor, embora seus efeitos sobre o peso, bem como sobre a saúde cardiovascular, óssea, cerebral e sexual sejam desconhecidos. Além disso, sua segurança e eficácia em longo prazo ainda não foram estabelecidas.
  • Estetrol (E4) é um estrogênio de ocorrência natural que, em estudos iniciais, demonstrou reduzir a frequência e gravidade vasomotora, bem como melhorar a taxa de maturação vaginal. O E4 foi recentemente aprovado nos Estados Unidos e Canadá para uso como anticoncepcional e está atualmente sob investigação para o tratamento de sintomas vasomotores.

“Essas e outras alternativas trazem esperança para milhões de mulheres que sofrem de ondas de calor”, diz o Dr. Faubion. “É importante que os profissionais de saúde sejam capazes de individualizar o tratamento para seus pacientes e oferecer opções para o controle dos sintomas.”

Um histórico de enxaqueca pode causar ondas de calor mais grave em mulheres após a menopausa?
 

Comentarios

Para ver los comentarios de sus colegas o para expresar su opinión debe ingresar con su cuenta de IntraMed.

AAIP RNBD
Términos y condiciones de uso | Todos los derechos reservados | Copyright 1997-2022