Ceticismo por Gonzalo Casino | 16 JUL 21

Prevenir ou tratar a infodemia

Sobre a avaliação da qualidade das notícias de saúde e o parâmetro para medi-las
Autor/a: Gonzalo Casino Fuente: IntraMed y Fundación Esteve 

A batalha pela qualidade da informação em saúde e ciência não está perdida, embora as evidências sugiram que sim. Não se perde porque há muitas notícias relevantes, rigorosas, mas também atrativas e fáceis de ler. Nunca houve tantos e tão bons exemplos de jornalismo explicativo e de qualidade, seja qual for essa qualidade, esta é uma das chaves de análise. Mas o que motiva este comentário é que a primeira revisão sistemática da qualidade das informações da mídia sobre saúde, especificamente sobre tratamentos (intervenções de saúde, não apenas medicamentos), conclui que há muito espaço para melhorias, uma forma educada de dizer que há muito muitas notícias que não atendem aos critérios de qualidade

Medir a qualidade das notícias de saúde não é fácil. O principal desafio é decidir qual é o parâmetro. Na revisão, centenas de critérios de qualidade foram identificados em mais de 2.000 estudos (investigações que, por sua vez, são de qualidade científica muito diversa). Os resultados são dignos de consideração porque lançam luz sobre o problema da superabundância de informações de saúde, em parte rigorosas e em parte não, cunhado como um infodêmico pela OMS em 2020.

"O copo de qualidade informativa está mais vazio do que cheio"

Na revisão, os 108 critérios usados ​​para fazer um resumo quantitativo (metanálise) foram agrupados em 19 critérios gerais. Uma delas é relatar os efeitos nocivos do tratamento, algo que só atendeu 40% das notícias. Pouco mais de um terço (36%) preenchia outra condição importante: informar sobre as alternativas disponíveis para a intervenção. A informação sobre o custo do tratamento só apareceu em 18% dos casos e a discussão de conflitos de interesse em 22%. Pouco mais da metade (53%) foi além de meras informações verbais para quantificar os efeitos das intervenções e apenas 17% forneceram resultados em números absolutos e não apenas em números relativos, que tendem a ser mais eloquentes e muitas vezes enganosos. Esses dados globais sobre notícias na mídia impressa e digital, rádio e televisão mostram que o copo de qualidade informacional está mais vazio do que cheio.

 

Comentarios

Para ver los comentarios de sus colegas o para expresar su opinión debe ingresar con su cuenta de IntraMed.

Contenidos relacionados
Los editores le recomiendan continuar con las siguientes lecturas:
AAIP RNBD
Términos y condiciones de uso | Todos los derechos reservados | Copyright 1997-2021