Septicemia por Gonzalo Casino | 10 AGO 21

Embuste e negações

Sobre o estudo das formas de falsidade e o serviço dos verificadores
Autor/a: Gonzalo Casino Fuente: IntraMed / Fundación Esteve 

Em resposta à avalanche de desinformação sobre a pandemia, as verificações de plataformas independentes aumentaram 900% entre janeiro e março de 2020, de acordo com um relatório do Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo. Na amostra de 225 peças de desinformação, 59% implicam em alguma forma de retrabalho ou recontextualização das informações existentes, muitas vezes verdadeiras; 38% são informações fabricadas e 3%, piadas; nas redes sociais, os percentuais são 87%, 12% e 1%, respectivamente. Nenhum exemplo de falsificações profundas foi encontrado na amostra. O relatório fala apenas de desinformação e evita termos populares como notícias falsas e boatos. Mas essa categorização deve ser considerada boa? Como classificar a desinformação em português?

Em português, a palavra embuste (hoax, em inglês) marcou o discurso público e dificultou a fortuna, devido à sua brevidade (mais palavras curtas), ao consenso que suscita e à crescente preocupação com a desinformação. Embora a primeira aparição registrada nos bancos de dados da Real Academia Espanhola (RAE) seja de 1481 ("Aquele que parte de Medina / mesmo que carregue um embuste e um touro / se sua mula estiver algemada / não deixará de ser deficiente "), não entrou em seu dicionário até 1992. Sua popularidade cresceu nos últimos anos, especialmente com a pandemia COVID-19, conforme mostrado pela ferramenta Google Trends, que registra a frequência de pesquisas do Google e marca o apogeu de “embuste” “hoax” em abril de 2020.

O termo parece estar pegando fogo graças ao endosso de organizações de verificação e da mídia, que nunca se sentiram muito confortáveis ​​com o termo notícias falsas, e até mesmo pesquisadores de comunicação. A definição comum de hoax como “notícias falsas difundidas com algum propósito” (RAE) foi especificada em um artigo do grupo de Ramón Salaverría, da Universidade de Navarra, como “todo conteúdo intencionalmente falso e com aparência verdadeira, concebido com o propósito de enganar os cidadãos, e divulgado publicamente por qualquer plataforma ou mídia social ”. Ambas as definições possuem uma nítida nuance finalista na difusão da falsidade, o que faz com que o conceito tenha limites difusos.

 

Comentarios

Para ver los comentarios de sus colegas o para expresar su opinión debe ingresar con su cuenta de IntraMed.

Contenidos relacionados
Los editores le recomiendan continuar con las siguientes lecturas:
AAIP RNBD
Términos y condiciones de uso | Todos los derechos reservados | Copyright 1997-2021