Revisão aprofundada | 26 JUL 21

Sistema límbico: distinção entre módulos e modos afetivos

No estudo da implicação do sistema límbico na determinação da valência afetiva, não é possível subestimar a capacidade de um mesmo módulo neural gerar modos afetivos positivos e negativos.
Introdução

No estudo das bases neurais da atividade afetiva, os módulos podem ser representados por um único neurônio ou grupo de neurônios em uma população, áreas discretas em uma região do cérebro ou por sinapses mediadas por neurotransmissores em um centro nervoso específico.

Nesse sentido, o sistema límbico é constituído por diferentes módulos neurais que atribuem conotação positiva ou negativa a diversos estímulos ambientais, os quais incluem o componente hedônico de valência afetiva, ou seja, se o indivíduo, diante de um determinado elemento ambiental, irá experimentar, respectivamente, satisfação ou desprazer.

Esses estados afetivos são acompanhados por um componente motivacional, que permite que os processos cerebrais sejam ativados quando uma situação é percebida para potencializar as atividades que visam obter retribuição pelo que é percebido como agradável ou evitar situações urgentes (envolvendo dor ou descontentamento) por meio da evitação passiva ou do medo experimentação.

Ressalta-se que as expressões afetivas podem ser objetivas, sem serem influenciadas pelo componente hedônico, o que se verifica nas manifestações de prazer na região orofacial.

Além disso, em resposta a mudanças no ambiente ou ambiente interno (mudanças fisiológicas ou psicológicas), um determinado módulo neural pode atribuir uma valência positiva ou negativa na geração de emoções, ou seja, sua capacidade de representar diferentes modos afetivos de acordo com um contexto característico: a existência de expressão diferencial de genes, a atividade do circuito nervoso do qual faz parte, o perfil de excitabilidade neuronal ou o tipo de neurotransmissão, entre outros fatores.

No entanto, é importante avaliar se os módulos neurais presentes nas estruturas do sistema límbico, como a amígdala e o nucleus accumbens, regulam diferentes estados afetivos em resposta a um ambiente em constante mudança ou se, apesar dessas mudanças, eles correspondem a um determinado modo afetivo. Esta análise foi o objetivo da revisão.

Nucleo accumbes e amígdala: módulos e modos afetivos

Com base no que foi observado em modelos animais, foi proposto que o bloqueio do sistema dopaminérgico mesolímbico causava anedonia. No entanto, em estudos adicionais realizados em ratos, postulou-se que a integridade deste circuito não é necessária para sentir prazer diante de um estímulo positivo (presença de alimento, entre outros), mas para desejar obter aquele que produzirá satisfação (prosseguir com o seu consumo).

Nestes estudos, a inibição deste sistema foi conseguida através da geração de lesões, provocadas pela 6-hidroxidopamina, nas eferências dopaminérgicas do mesencéfalo para o nucleus accumbens ou pela utilização de um antagonista da monoamina.

Deve-se notar que nos nucleos accumbens e pálido ventral, no tronco cerebral e nos córtices orbitofrontais e insulares existem centros que regulam as sensações de prazer ou pontos quentes hedônicos, que se inferem serem áreas de dimensão reduzida, a partir de observações feitas em cérebros de ratos , e integram um circuito que visa aumentar a satisfação que uma situação agradável produz, que responde ao estímulo dos opioides.

Em particular, esse aumento é registrado por provocar a ativação dos receptores opioides kappa, localizados em um desses centros, que se encontra na porção rostrodorsal da cobertura medial do núcleo accumbens.

Segundo o autor, é importante mencionar que a intensificação da sensação agradável não ocorre ao ativar os receptores kappa localizados nos neurônios das áreas da porção rostrodorsal da cobertura medial, distintas do centro que promove a sensação agradável, e ainda, quando tal ativação é induzida em outras estruturas cerebrais, leva à resposta de aversão.

Da mesma forma, é possível distinguir módulos neurais localizados em diferentes áreas do nucleus accumbens, os quais geram respostas opostas a um estímulo neuroquímico específico, encontrado em modelos murinos.

Nesse sentido, a indução de sinapses inibitórias pela ativação de receptores GABAA ou bloqueio de receptores de glutamato, AMPA (aplicação na forma de microinjeção de muscimol ou DNQX [6,7-dinitroquinoxalina-2,3-diona], respectivamente), pode provocar o desejo de consumir alimentos ou um comportamento defensivo, se ocorrer, respectivamente, em áreas da região rostral ou caudal da cobertura medial do núcleo accumbens.

No entanto, o mesmo módulo neural pode gerar diferentes estados afetivos quando confrontado com diferentes sinais neuroquímicos e condições ambientais.

 

Comentarios

Para ver los comentarios de sus colegas o para expresar su opinión debe ingresar con su cuenta de IntraMed.

CONTENIDOS RELACIONADOS
AAIP RNBD
Términos y condiciones de uso | Todos los derechos reservados | Copyright 1997-2022