Um guia para a prática | 25 JUN 21

Retenção urinária devido à obstrução benigna da próstata

Revisão sistemática e uma meta-análise sobre o manejo desta patologia masculina prevalente em homens idosos
Autor/a: Markos Karavitakis, Iason Kyriazis , Muhammad Imran Omar y col. EUR URO-8261 May 2019 Volume 75, Issue 5,
INDICE:  1. Página 1 | 2. Referencias bibliográficas
Página 1
Introdução

A retenção urinária (RU) é a incapacidade do paciente de esvaziar total ou parcialmente a bexiga por meio da micção voluntária. A RU pode ser aguda ou crônica. A RU aguda (RUA) é definida como uma bexiga dolorida, palpável ou percussiva, quando o paciente não consegue urinar. A UR crônica (RUC) é definida como uma bexiga indolor, que permanece palpável ou percussiva após o paciente urinar.

O termo implica um volume de urina residual pós-esvaziamento (PMR) significativo (mínimo 300 ml).

No entanto, as definições exatas de RUA e RUC permanecem controversas. A incidência exata de RU na população em geral permanece obscura, com várias estimativas variando de 2,2 a 6,8 eventos/1.000 pacientes-ano. A obstrução benigna da próstata (OPB) é considerada a causa mais comum de RU em homens.

Vários antagonistas do receptor adrenérgico α1 (bloqueadores α1) foram testados em pacientes com RUA para aumentar as taxas de micção sem tubo (PMSS), incluindo alfuzosina, tansulosina e silodosina, a maioria dos quais se mostrou mais eficaz do que o placebo.

No estudo ALFAUR, o maior ensaio clínico conduzido até o momento, o papel da alfuzosina 10 mg, 1 vez/dia, 2–3 dias antes da PMSS foi avaliado e mostrou que a alfuzosina quase dobrou a taxa de sucesso da PMSS.

Uma vez que a maioria dos pacientes com PMSS bem-sucedida não teve uma recidiva de curto prazo de RUA, a administração de um bloqueador α1 antes da remoção do cateter é considerada um tratamento valioso. Foi relatado que> 80% dos pacientes que não receberam nenhum tratamento após um episódio de RUA foram submetidos à cirurgia em 5 anos.

Como resultado, a intervenção farmacológica deve ser considerada não apenas como um auxílio para aumentar a possibilidade de sucesso de PMSS, mas também como um meio de reduzir o risco de recorrência de RUA em longo prazo. A recorrência de RUA pode levar a futuras intervenções.

Dados de 5 estudos que avaliaram o uso a longo prazo de bloqueadores α1 revelaram que os pacientes apresentavam um risco menor de RUA recorrente. O uso de inibidores da 5α-redutase (5-ARIs) como terapia combinada com bloqueadores α1 no tratamento de RUA permanece controverso.

Outra opção terapêutica para RUA é a cirurgia de próstata de emergência, mas apresenta um risco maior de complicações intra-operatórias e/ou pós-operatórias e mortalidade do que a cirurgia eletiva. Portanto, a cirurgia eletiva é o tratamento de escolha para a maioria dos homens nos quais a PMSS falhou.

O aumento da morbidade perioperatória também está associado à presença de um cateter urinário de demora em casos operados após a falha do PMSS.

O tratamento de UR secundário a OPB varia muito. As revisões sistemáticas relevantes são escassas. O guia de sintomas do trato urinário inferior masculino não neurogênico da European Association of Urology (EAU) reconhece que atualmente não há evidências importantes e uma base científica crescente, o que mostra a necessidade de saber mais sobre as opções terapêuticas.

Objetivo

Abordar as seguintes perguntas:

1. Quais são os benefícios dos tratamentos de RU (aguda ou crônica) em adultos com OPB?

2. Quais são os danos dos tratamentos para a RU (aguda ou crônica) em adultos com OPB?

A evidência considerada no estudo vem de ensaios clínicos randomizados (ECA), quase ECAs (QRCT) e estudos comparativos prospectivos. Outros estudos (como os não comparativos) e séries de casos foram excluídos. Comparações de intervenção versus comparador foram investigadas.

Intervenção:

Qualquer tratamento farmacológico ou não farmacológico incluído nas diretrizes da EAU em homens com sintomas não neurogênicos do trato urinário inferior (LUTS) (2018), conforme definido abaixo:

1. Tratamento farmacológico (monoterapia ou terapia combinada): bloqueadores α1, 5-ARI, inibidores da fosfodiesterase 5 (PDE5-I), extratos vegetais (fitoterapia).

2. Tratamento não farmacológico: qualquer tipo de intervenção instrumental (tratamento cirúrgico, como ressecção uretral da próstata, que inclui cateterismo suprapúbico ou uretral, independentemente da duração anterior à SPM.

3. Qualquer combinação dos tratamentos farmacológicos e não farmacológicos acima.

Comparador

1. Não há tratamento

2. Tratamento placebo ou simulado.

3. Qualquer tratamento farmacológico ou não farmacológico.

Os principais resultados benéficos foram:

1. Taxa de PMSS bem-sucedida.

2. Taxa de recorrência de RU (aguda ou crônica) após PMSS bem-sucedido.

Os principais danos foram:

1. Prejuízos do tratamento para RU (agudo ou crônico), incluindo quaisquer efeitos adversos (morte, complicações do tratamento farmacológico ou não farmacológico). Complicações cirúrgicas que ocorreram até 1 mês após a operação, que foram pontuadas especificamente de acordo com o sistema de classificação de Clavien modificado.

Os resultados secundários incluiram:

1. Pico de fluxo (Qmax), Pontuação Internacional de Sintomas da Próstata (IPSS), incluindo pontuação de qualidade de vida [QoL], ORPM; valores absolutos e alterações da linha de base em cada ponto de tempo de acompanhamento.

2. Medidas específicas para avaliação do tratamento não farmacológico (duração da operação, duração da irrigação vesical, cateterização pós-operatória e duração da internação).

Discussão

A evidência para o manejo de pacientes com RU causada por OPB, com tratamentos farmacológicos ou não farmacológicos, é limitada. A certeza da evidência (CaE) para a maioria dos resultados foi baixa ou muito baixa.

Todos os bloqueadores α1 seletivos (alfuzosina, tansulosina e silodosina) parecem ser superiores ao placebo em termos de taxas de PMSS de sucesso após um curto período de cateterismo.

Em contraste, nenhum benefício foi encontrado com o uso do bloqueador α1 não seletivo doxazosina, enquanto a adição de sildenafil à tansulosina não proporcionou nenhum benefício adicional em comparação com a monoterapia com tansulosina. No entanto, esses estudos são insuficientes; CaE é muito baixo e, portanto, nenhuma conclusão definitiva pode ser tirada para essas comparações.

Os resultados combinados indicam que a monoterapia com alfuzosina e tansulosina fornece taxas de PMSS significativamente mais altas do que o placebo, com poucos efeitos adversos. Taxas semelhantes de PMSS bem-sucedido foram alcançadas com alfuzosina ou tansulosina. Os tratamentos não farmacológicos têm sido avaliados por meio de estudos randomizados e controlados e estudos prospectivos comparativos, apenas esporadicamente.

 

Comentarios

Para ver los comentarios de sus colegas o para expresar su opinión debe ingresar con su cuenta de IntraMed.

AAIP RNBD
Términos y condiciones de uso | Todos los derechos reservados | Copyright 1997-2022