Ceticismo por Gonzalo Casino | 08 JUN 21

A atitude científica

Sobre o compromisso tardio mas firme e irreversível da medicina com as evidências
Autor/a: Gonzalo Casino Fuente: IntraMed / Fundación Esteve 

O breve relato da Wikipedia sobre as mortes dos quatro presidentes americanos assassinados é um bom exercício para a memória histórica da medicina. Com todos eles, Lincoln em 1865, Garfield em 1881, McKinley em 1901 e Kennedy em 1963, os médicos da época fizeram tudo o que podiam para salvar suas vidas. Dos quatro assassinatos, o mais ilustrativo é o de Garfield, que recebeu duas balas que não atingiram nenhum órgão vital. O ilustre ferido permaneceu mais de dois meses na cama na Casa Branca, enquanto os médicos - em busca de uma das balas - transformaram um ferimento de poucos milímetros em ferimento grave. E ele acabou morrendo "por causa da infecção e hemorragia interna causada pelos médicos".

O caso pode surpreender pelo pouco tempo que passou. Mas, neste curto século e meio, a medicina mudou profundamente. Em 1881, ele já havia deixado a era pré-científica de sangramento, purgação, trepanação e outros tratamentos que matavam mais do que curavam. E, pela primeira vez, ele teve uma explicação científica para a origem de muitas doenças, uma vez que Pasteur apresentou na década de 1860 evidências de que os micróbios eram a causa das infecções. Porém, os médicos ainda não aceitavam algo que não podiam ver e se perguntavam “onde estão esses bichinhos?”, apegados a uma prática clínica baseada na autoridade e na tradição. Enquanto Garfield morria nas mãos de seus médicos, Koch expôs aqueles pequenos animais em seu microscópio, inaugurando a bacteriologia.

A medicina tornou-se científica com um atraso de vários séculos em comparação com a física ou a astronomia, mas a grande maioria dos médicos não conhecia a ciência nem pensava como cientistas. Nos 80 anos, desde a teoria microbiana até o uso médico da penicilina em 1941, o progresso clínico não foi realmente perceptível. A partir de então, os avanços médicos começaram a disparar. Quando Kennedy morreu em 1963, os médicos também não puderam fazer nada para salvar a vida de um homem com o cérebro despedaçado, mas a prática médica já tinha uma base científica sólida e realizações como transplantes de órgãos haviam sido alcançadas. Os médicos não eram cientistas, e a maioria deles ainda não é, mas a medicina já era plenamente científica, porque na profissão prevalecia a atitude científica, aquela atitude que implica aprender com a evidência empírica, revisando-a continuamente e modificando a prática em conformidade e, se necessário, suas próprias crenças. Esta foi a grande mudança.

 

Comentarios

Para ver los comentarios de sus colegas o para expresar su opinión debe ingresar con su cuenta de IntraMed.

Contenidos relacionados
Los editores le recomiendan continuar con las siguientes lecturas:
AAIP RNBD
Términos y condiciones de uso | Todos los derechos reservados | Copyright 1997-2021