Risco de UTI, ARM e morte | 02 ABR 21

COVID-19 em adultos com sobrepeso e obesidade

Um novo estudo encontra uma relação dose-resposta entre um índice de massa corporal mais alto e resultados graves de COVID-19.
Autor/a: Lyudmyla Kompaniyets, PhD; Alyson B. Goodman, MD, et al. Fuente: CDC Morbidity and Mortality Weekly Report (MMWR) Body Mass Index and Risk for COVID-19Related Hospitalization, Intensive Care Unit Admission, Invasive Mechanical Ventilation, and Death

Os pesquisadores utilizaram dados de quase 150.000 adultos que visitaram o pronto-socorro ou foram admitidos no COVID-19 de março a dezembro de 2020. Aproximadamente 28% desse grupo estava acima do peso (Índice de massa corporal IMC 25-299) e 51% eram obesos (IMC maior de 30).

Após o ajuste multivariado, o excesso de peso esteve associado ao aumento do risco de ventilação mecânica invasiva (razão de risco, 1,12), em comparação com o peso saudável.

A obesidade se associou a maiores riscos de hospitalização, internação na UTI (IMC, 40 ou mais), ventilação mecânica invasiva e morte, sendo o risco maior para pacientes com maior IMC. Os riscos associados ao maior peso foram maiores para adultos com menos de 65 anos do que para idosos.

Os autores escreveram: “A constatação de que o risco da doença associada ao COVID-19 aumenta com um IMC mais elevado sugere que poderia ser necessário um tratamento progressivamente intenso para pacientes com obesidade mais severa. Esse achado também corrobora a hipótese de que a super inflamação da adiposidade pode ser um fator na gravidade da doença associada ao COVID-19.”

Resumo

O que já se sabe sobre esse tema?

A obesidade aumenta o risco de enfermidade grave associada ao COVID-19.

O que este relatório acrescenta?

Entre 148.494 adultos norte-americanos com COVID-19, foi encontrada uma relação não linear entre o índice de massa corporal (IMC) e a gravidade do COVID-19, com menores riscos em pacientes com IMC perto do limiar entre peso saudável e acima do peso na maioria dos casos, e aumenta à medida que o IMC fica maior.

O sobrepeso e a obesidade foram fatores de risco para a ventilação mecânica invasiva.

A obesidade foi um fator de risco de especialização e morte, especialmente entre os adultos menores de 65 anos.

Quais são as implicações para a prática da saúde pública?

Esses achados destacam as implicações clínicas e de saúde pública do IMC mais elevado, incluindo a necessidade de uma gestão intensiva da doença associada ao COVID-19, priorização contínua e aplicação de vacinas e políticas de apoio a comportamentos saudáveis.

Introdução

A obesidade é um fator de risco reconhecido para COVID-19 grave, possivelmente relacionado à inflamação crônica que interrompe as respostas imunológicas e trombogênicas aos patógenos, bem como a função pulmonar prejudicada pelo excesso de peso. É uma doença metabólica comum que afeta 42,4% dos adultos americanos e é um fator de risco para outras doenças crônicas, como diabetes tipo 2, doenças cardíacas e alguns cânceres.

O Comitê Consultivo de Práticas de Imunização considera a obesidade uma condição médica de alto risco para a priorização da vacina COVID-19.

Métodos

Os dados do estudo foram obtidos a partir do Premier Healthcare Database Special COVID-19 Release (PHD-SR) que é um grande banco de dados hospitalar. Dos cerca de 800 hospitais norte-americanos geograficamente dispersos que relataram dados de internação, 238 relataram informações acerca o peso e altura dos pacientes e foram selecionados ao estudo. A amostra incluiu pacientes acima de 18 anos com altura e peso medidos. O IMC foi calculado utilizando-se a altura e os pesos medidos durante a entrada do paciente no hospital. O IMC foi classificado nas seguintes categorias: baixo peso (<18,5 kg/m2), peso saudável (18,5-24,9 kg/m2), sobrepeso (25-29,9 kg/m2) e obesidade (quatro categorias: 30-34,9 kg/m2 , 35-39,9 kg/m2, 40-44,9 kg/m2 e ≥45 kg/m2).

Frequências e percentuais foram utilizados para descrever a amostra do paciente. Foram usados modelos de multivariáveis para estimar as razões de risco ajustadas (aRR) entre as categorias de IMC e os 4 desfechos de interesse: hospitalização, internação em UTI, ventilação mecânica e óbito entre os pacientes. As análises foram estratificadas por idade (menor de 65 anos vrs maior de 65 anos).

Resultados

Entre 3.242.649 pacientes ≥ 18 anos de altura e peso documentados que receberam emergências ou cuidados hospitalares até 2020, um total de 4,6% tinha códigos DE CID-10-MC indicando um diagnóstico de COVID-19. Entre 71.491 pacientes internados com COVID-19, 48,8% deram entrada necessária da UTI, 13,3% necessitaram de ventilação mecânica invasiva e 11,7% morreram. Aproximadamente 1,8% dos pacientes estavam abaixo do peso, 28,3% estavam acima do peso e 50,8% eram obesos. Em comparação com a coorte total de PHD-RS, os pacientes com doença associada ao COVID-19 eram mais velhos (idade mediana de 55 versus 49 anos) e apresentavam maior prevalência bruta de obesidade (50,8% vs. 43,1%).

A obesidade foi um fator de risco tanto para a internação quanto para o óbito, e apresentaram relação dose-resposta com o aumento da categoria IMC: Os aRRs para internação variaram de 1,07 (intervalo de confiança de 95% [IC a 1,05 a 1,09]) para pacientes com IMC de 30 a 34,9 kg / m2 para 1,33 (IC 95% 1,30-1,37) para pacientes com IMC ≥45 kg / m2 em comparação com aqueles com IMC de 18,5-24,9 kg / m2 (peso saudável). O aRR para óbito variou de 1,08 (IC 95% a 1,02-1,14) para aqueles com IMC de 30-34,9 kg/m2 a 1,61 (IC95% x 1,47-1,76) para aqueles com IMC ≥45 kg/m2.

A obesidade grave foi associada à internação na UTI, com IMC de 1,06 (IC95% x 1,03-1,10) para pacientes com IMC de 40-44,9 kg/m2 e 1,16 (IC95% x 1,11-1,20) para aqueles com IMC ≥ 45 kg/m2.

O sobrepeso e a obesidade foram fatores de risco para ventilação mecânica invasiva, com aRR de 1,12 (IC95 x 1,05-1,19) para IMC de 25-29,9 kg/m2 a 2,08 (IC 95% x 1,89-2,29) para um IMC ≥ 45 kg/m2.

Pacientes com COVID-19 com baixo peso apresentaram um risco 20% maior do que aqueles com peso saudável. Os pacientes com idade menor que 65 anos com baixo peso foram 41% mais propensos a serem hospitalizados do que aqueles com peso saudável, e pacientes com mais de 65 anos com baixo peso foram 7% mais prováveis de serem hospitalizados.

Observou-se uma relação em forma de J (não linear) entre IMC contínuo e risco para os desfechos. Os riscos de hospitalização, internação da UTI e morte foi menor em IMC de 24,2 kg/m2, 25,9 kg/m2 e 23,7 kg/m2, respectivamente, e depois aumentou acentuadamente com IMC. O risco estimado de ventilação mecânica invasiva aumentou em toda a gama de IMC de 15kg/m2 para 60kg/m2. Os riscos estimados de internação e óbito foram consistentemente maiores para as faixas etárias mais velhas, no entanto, dentro de cada faixa etária, o risco aumentou com o IMC mais elevado.

 

Comentarios

Para ver los comentarios de sus colegas o para expresar su opinión debe ingresar con su cuenta de IntraMed.

AAIP RNBD
Términos y condiciones de uso | Todos los derechos reservados | Copyright 1997-2022