Dr. Gonzalo Casino | 18 ENE 23

Paleogenética

Sobre a reescrita da história humana à luz da genômica
Autor/a: Gonzalo Casino Fuente: IntraMed / Fundación Esteve 

A história da humanidade começou muito antes do que a historiografia nos ensina. As aventuras do homem anatomicamente moderno, desde suas origens na África há cerca de 200.000 anos, não podem ser totalmente compreendidas sem as recentes contribuições da genética evolutiva. Com a análise do DNA de restos humanos de milhares de anos atrás, foi possível resolver algumas questões sobre as quais a arqueologia só poderia fornecer conjecturas. Essas novas descobertas, que se sucedem rapidamente, estão ajudando a localizar e datar alguns marcos pré-históricos e esclarecer questões como migrações, domesticação de animais e plantas ou relações com os neandertais e outros parentes genéticos.

A ascensão da paleogenética baseia-se no fato de que o DNA pode "sobreviver" em fragmentos de tecido biológico de milhares de anos atrás, ser analisado e comparado com outras amostras. Com os dados genéticos de muitos humanos antigos e modernos, foi possível confirmar a hipótese da migração. A população europeia, por exemplo, é constituída pelos descendentes de uma primeira vaga de caçadores-coletores que saiu de África há mais de 60.000 anos e se dispersou por quase todo o mundo; uma segunda onda de agricultores que deixou o Oriente Próximo (onde a agricultura foi inventada) há cerca de 10.000 anos, e um terço de pastores nômades que migraram do atual Cazaquistão há cerca de 5.000 anos. Este último espalhou pela Europa e Ásia as línguas indo-européias que hoje são faladas por metade da população, juntamente com algumas inovações como o bronze, o uso de cavalos e rodas, tecidos de lã ou comércio de longa distância, bem como novos deuses, mitos e regras para herança.

Todas essas descobertas estão derrubando algumas ideias preconcebidas.

A análise do DNA revelou, entre outras coisas inesperadas, que quando os primeiros homens modernos chegaram ao Oriente Próximo, os nossos primos neandertais já estavam lá há várias centenas de milhares de anos. Ambas as espécies se cruzaram e, por isso, praticamente todos os humanos atuais têm cerca de 2% de origem neandertal em nosso genoma e, no caso de outras populações, principalmente asiáticas, também de outros primos genéticos, como os denisovanos. Todas essas descobertas estão derrubando algumas ideias preconcebidas e ajudando a reescrever a história da espécie.

 

Comentarios

Para ver los comentarios de sus colegas o para expresar su opinión debe ingresar con su cuenta de IntraMed.

CONTENIDOS RELACIONADOS
AAIP RNBD
Términos y condiciones de uso | Política de privacidad | Todos los derechos reservados | Copyright 1997-2024