“Lado B”, por Celina Abud | 11 FEB 22

Perdão: a palavra mais difícil

Desde a noção de valor de Saussure, até as perspectivas psicológicas, não é o mesmo dizer "perdão", "te peço mil desculpas". Por que a escolha de termos não é inocente?
Autor/a: Celina Abud Fuente: IntraMed 
INDICE:  1. Página 1 | 2. Referências Bibliográficas
Página 1

O álbum Blue Moves (1976) de Elton John soube nos dar canções que são obras-primas, não só em termos de melodia e interpretação, mas também pela letra de Bernie Taupin. Uma de suas canções inesquecíveis é “Desculpa parece ser a palavra mais difícil”.

Assim como existem discos que não envelhecem – um exemplo é Blue Moves – também não envelhecem algumas premissas. Em tempos de pandemia, onde a diplomacia perdeu por causa do cansaço (como diz outra música dos The Smiths, “é preciso força para ser gentil e amável”), os conflitos surgiram. Nós nos comportamos mal e eles se comportaram mal conosco. Mas quando a raiva se dissipa, é importante buscar soluções. Aparece a necessidade da palavra mais difícil.

Vamos tentar lembrar os momentos em que eles se comportaram mal conosco (só porque será mais fácil para nós evocar esses momentos antes de assumir nossas falhas). E vamos pensar: Quantas vezes eles já nos disseram “com licença”? Quantos outros nos dedicaram um “Peço desculpas a você”? E quantos outros ouvem uma palavra que já não parece ser a mais difícil quando é intrusiva em outro idioma: “desculpa”?

As opções utilizadas para substituir a palavra perdão lembram a noção de valor de Ferdinand de Saussure, em que o pai da linguística mostra como é ilusório considerar que um termo (signo linguístico) é simplesmente a união entre um som (significativo) com um certo conceito (significado). Vamos exemplificar: se falamos de neve, gelo ou geleira, todos se referem à água congelada. O mesmo se dissermos rio, córrego ou canal, que falam de um curso de água. Portanto, o valor linguístico é definido pela oposição recíproca: um termo é o que outro termo não é. Ou dito de outra forma, o valor é definido não positivamente por seu conteúdo, mas negativamente por suas relações com os outros termos do sistema.

As substituições de palavras mais difíceis também parecem evocar a teoria da enunciação de Saussure, que conclui que a relevância do que foi dito se baseia não tanto no que foi dito quanto no que não foi dito. Assim, vemos o princípio do caráter diferencial do signo aplicado à análise do discurso na medida em que o objeto de análise é estudado não em seu valor inerente, mas em sua relação com outros objetos que poderiam ter tomado seu lugar.

Dito isso, “com licença”, “eu te peço mil desculpas” ou “desculpa” soam a mesma coisa? Ou se aumentarmos a aposta, eles são os mesmos? Cada um pode pensar no seu caso particular. De minha parte, vou pedir desculpas por tirar uma licença para avaliações pessoais derivadas de conflitos na pandemia. Quando recebi a palavra “perdão” ou “perdoe-me” do outro, atribuí a ela um valor: o da dor de quem inadvertidamente (ou intencionalmente, num acesso de raiva) infligiu dor; até o “com licença”' parecia mais um desejo, uma urgência de receber aquela palavra necessária para continuar com a rotina mais ou menos a mesma de antes, sem peso adicional. O “peço desculpas a você” me soou diferente, com uma distância mais marcada entre o que se diz e quem o diz, como se se buscasse uma solução, mas sem o preço de um quilo de carne no caso de não obtê-la. Quando recebi um “desculpe” percebi como fictício, talvez com a mesma distância do “peço desculpas”, mas sem o desejo de encontrar soluções. O termo estrangeiro parecia ter sido emitido para tranquilizar o remetente e não para afetar o destinatário. É como obedecer, mas sem se comprometer a dizer a palavra no idioma de origem.

Porém por fora das teorias linguísticas e apreciações pessoais, o tema de perdão (com seus preconceitos e suas dificuldades) também foi abordado desde a psicologia social e analisaram seus efeitos no cérebro, seu papel na saúde mental e na saúde pública.

Um dos que escreveu (ainda que indiretamente) sobre o assunto foi o psicólogo social americano David G. Myers, que escreveu sobre o viés egoísta, o fenômeno pelo qual a maioria de nós ganha uma boa reputação, pelo qual aceitamos mais a responsabilidade no sucesso do que no fracasso e nos sentimos "mais autores de boas ações do que de más". Myers, que também é o autor do livro A Friendly Letter to Skeptics and Atheists, explicou que em experimentos psicológicos, as pessoas aceitam voluntariamente o crédito pelo sucesso, mas muitas vezes culpam o fracasso por fatores externos, como “má sorte” ou a “impossibilidade” de resolver o problema.

 

Comentarios

Para ver los comentarios de sus colegas o para expresar su opinión debe ingresar con su cuenta de IntraMed.

CONTENIDOS RELACIONADOS
AAIP RNBD
Términos y condiciones de uso | Todos los derechos reservados | Copyright 1997-2022